Exportação de serviços pode ajudar Brasil a crescer no pós-pandemia

AddToAny buttons

Compartilhe
30 A 31 jul 20
Ex: 8h00 às 18h00
Botão - Tenho Interesse
Esse preenchimento não garante sua
inscrição. É apenas para fins de comunicação,
envio de novidades e informações sobre o
evento.
José Augusto de Castro, presidente da AEB, na abertura do Enaserv 2020: País pode buscar abrir novos mercados
José Augusto de Castro, presidente da AEB, na abertura do Enaserv 2020: País pode abrir novos mercados
Crédito
AEB

O setor de serviços tem potencial para ampliar de forma significativa a pauta de exportações intangíveis do Brasil e contribuir para o crescimento do País. De acordo com os especialistas ouvidos durante o 11º Encontro Nacional de Comércio Exterior de Serviços (Enaserv 2020), realizado ao longo do dia 28 de julho e cujo tema foi “Novos Horizontes no Comércio Exterior de Serviços”, investir na exportação de serviços será fundamental para o Brasil alavancar seu crescimento, especialmente no contexto da pandemia e de digitalização da economia mundial. O Enaserv é um evento de referência na área, promovido pela Associação de Comércio Exterior do Brasil (AEB), com patrocínio da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC).

O presidente da CNC, José Roberto Tadros, em mensagem na abertura do encontro, ressaltou a relevância de se colocar na pauta de discussões a questão da exportação de bens e serviços, justamente no momento de grave crise econômica no país. Para ele, a CNC pode colaborar apontando horizontes para novos negócios. “Vamos arrostar o desenvolvimento no Brasil nesse momento de tanta dificuldade”, afirmou Tadros no evento transmitido por videoconferência.

Espaço para crescer

José Augusto de Castro, presidente da AEB, destacou a relevância do comércio exterior de serviços no contexto da nova ordem da economia global. Ao apresentar dados do Brasil, argumentou que há espaço para um largo crescimento nesse segmento no país e explicou que essa cadeia produtiva gera empregos de melhor qualidade.

“Não podemos esquecer que nos países mais desenvolvidos, o segmento de bens e serviços representa 70% do seu Produto Interno Bruto. Os serviços são um produto invisível, que sustentam uma economia visível”, observou o presidente da AEB.

Baseado em dados da Organização Mundial do Comércio (OMC), José Augusto de Castro explicou que em 2018, o comércio exterior de serviços alcançou a marca de US$ 5,6 trilhões, o que equivale a 29% do total em bens no mundo como um todo. Nesse mesmo ano, o que o Brasil exportou de serviços foi equivalente a 13% de exportações de manufaturados. Enquanto isso, acrescentou o presidente da AEB, esse quantitativo nos EUA representava 50% das exportações de manufaturados.

“Temos um espaço muito grande para crescer. O Brasil pode buscar novos horizontes e abrir novos mercados na exportação de bens de serviços”, frisou José Augusto de Castro.

O vice-presidente da FecomercioSP Rubens Medrano, que é também diretor da CNC e coordenador da Câmara Brasileira de Comércio Exterior (CBCEX) da Confederação, destacou a necessidade de abertura de caminhos para novos investimentos e da busca por tecnologias avançadas no segmento de serviços. Segundo Medrano, é preciso fomentar a discussão acerca de políticas de simplificação de tributos e processos, estabelecer um canal eficiente de diálogo com o poder público, colaborando para criação de condições favoráveis de crescimento e incremento da economia.

Parceria

O Enaserv 2020 foi realizado através do canal oficial da AEB no YouTube, com foco nos empresários, diretores, gerentes de empresas, autoridades e formadores de opinião do comércio exterior de serviços. O evento reuniu um time de especialistas do setor privado e do governo para discutir as principais questões que envolvem o setor.

Propor sugestões e estimular o debate é o objetivo da AEB a fim de ampliar e tornar mais competitivo o comércio internacional de serviços. A promoção do Enaserv é uma forma de garantir a inserção do segmento na agenda do governo e do setor privado, resgatar a produtividade através dos ganhos tecnológicos é o caminho para um comércio mais eficiente.

O encontro contou com o apoio da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP), WTM do Brasil, GE Celma e com o apoio Institucional da Secex/Ministério da Economia.

Ao final do evento, os organizadores anunciaram que o Encontro Nacional de Comércio Exterior (Enaex 2020) será realizado nos dias 12 e 13 de novembro, com transmissão por meio de plataformas digitais.