Setores de comércio, serviços e turismo do DF registram quedas superiores a 10% em maio

AddToAny buttons

Compartilhe
03 A 04 jul 20
Ex: 8h00 às 18h00
Botão - Tenho Interesse
Esse preenchimento não garante sua
inscrição. É apenas para fins de comunicação,
envio de novidades e informações sobre o
evento.
Ponte Juscelino Kubitschek é um dos principais pontos turísticos de Brasília
Ponte Juscelino Kubitschek é um dos principais pontos turísticos de Brasília
Crédito
Divulgação

03/07/2020

Em decorrência da crise causada pelo novo coronavírus, as vendas do comércio brasiliense registraram queda de 11,63% no mês de maio deste ano, quando comparado com abril. O setor de serviços também apresentou redução. Caiu 15,81% em relação ao mês anterior. Já o turismo da capital, que engloba agências de viagem, artigos de viagem, hotel e serviços de turismo, teve recuo de 52,02% em maio, também quando comparado com abril.

Os dados são da Pesquisa Conjuntural de Micro e Pequenas Empresas do Distrito Federal, realizada pelo Instituto Fecomércio, com o apoio do Sebrae. Foram ouvidos 542 empresários, no período de 1º a 19 de junho de 2020.

O presidente da Fecomércio-DF, Francisco Maia, diz que o resultado já era esperado, dado o cenário de fechamento do comércio na capital do País. Hotéis, academias, eventos, bares e restaurantes foram alguns dos segmentos mais prejudicados, o que agrava a crise com demissões, falências e prejuízos. “O comércio foi fechado em março, por questões de saúde, e parte das lojas começaram a reabrir apenas no final de maio. Por isso, a queda acentuada nas vendas”, destaca Francisco Maia.

Ele ressalta ainda que a Federação do Comércio, assim como Sesc e Senac, e os sindicatos empresariais da entidade estão trabalhando para amenizar os problemas. “A Fecomércio junto com outras instituições do setor produtivo e o GDF estão trabalhando para estabelecer protocolos e evitar a proliferação do vírus. Os comerciantes também estão atentos e cumprindo as recomendações de saúde. Acredito que com o tempo essas medidas vão gerar confiança nas pessoas para que voltem a consumir mais”, explica Francisco Maia.

Em maio, dos 15 segmentos do comércio pesquisados, apenas quatro registraram crescimento nas vendas, foram eles: Ferragens e Ferramentas (13,25%); Minimercados, Mercearias e Armazéns (11%); Farmácias (4,58%); e Padarias e Confeitarias (3,04%). Os que registraram queda: Vestuário e Acessórios (-37,04%); Joalherias (-36,75%); Calçados (-30,43%); Papelarias e Livrarias (-28%); Óticas (-16%); Cosméticos e Perfumarias (-15,68%); Artigos de Armarinho, Suvenires e Bijuterias (-15,24%); Móveis (-13,33%); Cama, Mesa e Banho (-7,75%); Material de Construção (-1,48%); e Autopeças e Acessórios (-0,91%). 

No setor de serviços, houve crescimento das vendas em apenas um dos sete segmentos apurados pela pesquisa: Petshop, com acréscimo de 2,38%. Os que registraram recuo: Manutenção de Veículos (-26,67%); Bar, Restaurante e Lanchonetes (-25,48%); Promoção de Vendas (-24,05%); Vidraçaria (-14,25%); Manutenção e Serviços em TI (-7,89%); Atividades de Contabilidade (-3,65%). No setor de turismo, a queda foi a mais acentuada: Serviço de Turismo (75,63%); Agências de Viagem (-59%); Hotéis (-40,45%); e Artigos de Viagem (-39,23%).

Meios de pagamento

Nas formas de pagamento dos setores de comércio, serviços e turismo, o destaque em maio de 2020 ficou com as compras no cartão de crédito, com 42,47%, e no dinheiro (31,65%). As duas modalidades de compra acumulam um índice de 74,12% da preferência do consumidor.