Sistema Fecomércio Rondônia atende imigrantes venezuelanos através do Senac

AddToAny buttons

Compartilhe
05 A 06 mar 20
Ex: 8h00 às 18h00
Botão - Tenho Interesse
Esse preenchimento não garante sua
inscrição. É apenas para fins de comunicação,
envio de novidades e informações sobre o
evento.
A atividade contou com doação de produtos, oficinas, preparação de currículos e bazar
A atividade contou com doação de produtos, oficinas, preparação de currículos e bazar
Crédito
Fecomércio-RO

05/03/2020

Alunos do curso de Aprendizagem Comercial Profissional em Serviços Administrativos do Senac Esplanada, em Rondônia, realizaram, no dia 18 de fevereiro, um projeto integrador com o tema “A diversidade no atendimento a pessoas em situação de vulnerabilidade social – Imigrantes venezuelanos”. O objetivo foi articular e contribuir para o desenvolvimento de competências que constituem o perfil profissional do curso, sendo recepcionar, atender pessoas, organizar e operacionalizar procedimentos.

A atividade contou com doação de produtos de higiene, oficina de marketing pessoal, preparação de currículos, bazar e oficinas sobre aproveitamento de alimentos. Ao todo, oitenta venezuelanos, entre adultos e crianças, participaram da ação. A iniciativa do Sistema Fecomércio proporcionou à população venezuelana a quebra da barreira da integração que muitos deles enfrentam, apesar do bom nível educacional e profissional que possuem. 

“Estaremos sempre dispostos a contribuir para que novos projetos como esse venham atender pessoas em situação de vulnerabilidade, integrando-as à sociedade e proporcionando um novo recomeço, possibilitando, ainda, aos nossos jovens aprendizes reflexões sobre a necessidade e a importância de cultivar valores, atitudes, gestos e ações que tornem o mundo mais humano, justo e solidário”, destacou o presidente do Sistema Fecomércio-Sesc-Senac-RO e vice-presidente da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), Raniery Araujo Coelho.

Para a aluna Mariana Paiva, de 18 anos, a experiência propiciou momentos de alegria e comunhão. “E, além de tudo, o principal: permitiu que nos colocássemos no lugar deles e sentíssemos a dor que é estar longe da família, em outro país, passando por todo o tipo de dificuldade em busca de algo melhor. É uma situação muito difícil”, disse a aluna.

Para outro aluno do curso, Otávio Galvão, de 21 anos, a solidariedade deve ultrapassar barreiras geográficas. “Passamos aos venezuelanos que, independentemente de estarem vindo de outro país, somos solidários com as suas dificuldades e estaremos sempre à disposição. A oportunidade de ajudar essas pessoas que estão em um cenário político caótico agrega uma experiência de vida incrível para todos nós”, comentou o jovem, agradecendo ao Senac pela iniciativa e pela escolha da turma para realizar essa atividade.